“Gabinete do ódio”: assessores admitem à PF atuar na comunicação do governo

Em depoimento à CPI da Covid, o ex-titular da Secom (Secretaria de Comunicação da Presidência da República) Fabio Wajngarten disse que Tércio Thomaz, assessor especial do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), não tinha relação com o trabalho da pasta. No entanto, em depoimentos no inquérito dos atos antidemocráticos, Tércio Thomaz admitiu que dois assessores que trabalham com ele, José Matheus Salles Gomes e Mateus Diniz, tinham atuação junto à Secom. Eles contaram à PF (Polícia Federal), pela primeira vez, suas funções. A repórter Juliana Dal Piva comenta as investigações sobre o “gabinete do ódio”.

#UOLNews
————————-
Bem-vindo ao canal do UOL no YouTube. Aqui você encontra notícias direto da redação, tudo sobre política, matérias especiais e o melhor do mundo do entretenimento.

** INSCREVA-SE NO CANAL: http://bit.ly/2xolCQ2

Categorias

Compartilhe nossas redes sociais.

Cartão de Visita Interativo

Apps | SEO | Web Design

Seu novo “Apê” está aqui !

Aplicativo Delivery Multi Loja

Site + Aplicativo para Imobiliárias e Corretores

Site + Aplicativo para Empresas de Ar Condicionado

Site + Aplicativo para Hóteis e Pousadas

Site + Aplicativo para Agência de Veículos

Site + Aplicativo para Rifas e Sorteios Online

Assine nosso Vlog e receba nossas postagens por e-mail: